sábado, 12 de fevereiro de 2011

CARA VIDA.

Cara vida
quão bela tu és.
A tua beleza
não se compara
a nenhuma outra.
É a beleza do que sois
ou, na dúvida,
do que és,
a que me refiro.
És vida bela
e não morres,
porque
tão pouco vives.
Pois se morres
continuas após
a morte.
E, em vida,
vives a procriar,
mesmo o que
do morto sobrou.

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 31.08.1992. Inédito!

Um comentário:

  1. Olá Rui, retribuo e agradeço a visita. Então, temos um poeta no pedaço? Que bom, não é? Essa nossa vida anda tão dura...Um pouco de poema sempre ajuda.
    VC mora na Paraíba? Pois saiba que meu projeto de vida é morar em João Pessoa, bem pertinho do mar...Não acredito em vida inteligente longe do mar. Sou pernambucana, de Recife, e não posso dizer que não tenha sido bom morar em Brasília e ver isso tudo de perto, mas agora chega! Cansei...Quero voltar pro Nordeste.
    Um abraço, aguardo sua visita lá no blog...

    ResponderExcluir