segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

O OBJETIVO.

Essa vontade louca
de se jogar pro infinito
vencer todas as distâncias
antes de precisar respirar de novo,

de olhar o brilho
de uma estrêla longínqua
e chorar como uma criança
no intento de poder tocá-la
e ter nas mãos
todos os elementos que a constituem.

Essa certeza
de não estar só no universo
e de poder ser escutado
através de um grito desumano,
místico, mágico,
que ecoará sem destino
 a procura de qualquer resposta
nos limites do infindável.

Quem sabe um dia,
olhando uma estrêla,
o homem veja a possibilidade
de nascer de novo,
longe de tudo aquilo que o envergonha,
que o mancha.

Quem sabe um dia,
olhando uma estrêla,
o homem encontrará
um deus humano como ele
que tenha sofrido de todos
os seus males,

um deus evoluído,
sem mistérios, sem pedestrais,
sem um invólucro que o esconda,
que o diferencie,

apenas um deus homem
olhando uma estrêla.

Quem sabe um dia
a estrêla do destino nos guiará
pro objetivo final.

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 05.09.1987. Inédito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário