quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

A CILADA.

Entrava inocente
num canto que não conhecia.

De um piscar:
um beijo quente
seguido do afago de uma mão macia ...

... tremia da sorte
    que aos olhos se forjava
    e como gritava sem destino
    em vão o som se propagava
    feito bala perdida
    ao manto fino.

Mas admirava perplexo
a estranha face
que se fazia
no lado côncavo de uma colher,

pois com medo estava
que a chama da vela se apagasse
prá não tombar vencido
nas garras de uma mulher.

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 03.02.1988. Inédito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário