sábado, 8 de janeiro de 2011

O OBSERVADOR.

Uma sandália solta
na areia daquela praia
e uma rima surda envolta
na indiferente acinésia
daqueles pés sem cavas;
entre tantas marcas seguiam
pro eco acintoso das ondas bravas,

que dentre as águas surgiam
com suas línguas de sal,
vêm com estrondoso bramar:
... capaz de castrar o mal
e levam-na,
prás profundezas do mar.

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 09.02.1987. Inédito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário