quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

A PROCURA.

procurava qualquer coisa
em qualquer lugar ...

onde se agarrasse
para suportar melhor a dor

                          - não, não aquilo ...
                          - esse objeto estranho,
                            obtuso

vasculhava cada pedaço de chão
com todos os sentidos
refletidos em sua procura

... finalmente viu qualquer coisa
por traz de uma sombra escura

                          - será aquilo?
                          - não, não aquilo ...

e em todo lugar que procurava
por qualquer coisa,
não encontrava

e de dor explodiu
em milhões de pedaços
que se transformaram
em qualquer coisa,
que ele tanto procurava

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 11.04.1987. Inédito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário