quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

VAZIOS.

Quem dera
a noite ser infinita
e o homem
              - dela -
eterno prisioneiro

Quem dera
todo homem
e cada mulher
fossem boêmios
prá deslizarem
na brisa fria da noite
e, numa simetria
quase perfeita,
preencherem os seus vazios ...

Quem dera
fosse a noite
                - berço dos poetas -
e declamassem os seus encantos

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado na madrugada do dia 14.03.1988. Inédito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário