domingo, 5 de dezembro de 2010

COMPLASCÊNCIA.

Sábio admoestador ...,
Pois nem sabes rechaçá-lo!
Predicados não te faltam,
Porém tens teus defeitos...
Vibras ao ver cair por terra
O teu primeiro inimigo.
Ao segundo, premia-lhe com as costas.
Viril inimigo que cospe no teu prato,
Corrói tuas entranhas,
Levando a angústia
Ao mais profundo do teu ser.
Teus instintos procuram uma reação...
Não sabes tu que naufragaste?
Não te enganes bisonho admoestado!

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 16.02.1981. Inédito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário