segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O CONSELHO.

Caso não seja o que queres,
o que queres então que eu faça?
que mude o sentido da coisas
e que me faça em pedaços?
Não, não farei eu tal desatino,
falarei em tom monólogo
um discurso inspirador,
um conselho, como queiras!
Desde então terás a chance
de te comoveres em lágrimas
ou de rejeitares o mesmo.
Da opção primeira
serás rico como um sábio,
e eu, um bom conselheiro;
Da segunda serás tu mesmo
a resposta e o caminho,
porém eu não terei perdido
o meu precioso tempo.

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 03.02.1992. Inédito!

Um comentário:

  1. Rui:
    Gostei muito do poema O Conselho, entre outros.
    Muito bom mesmo o teu blog, com matérias de alto valor. Abraços do wandisley

    ResponderExcluir