sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

O SALTO.

Caminhar num traço
iluminado pela luz do Sol,
das estrêlas,
da consciência.
De súbito apagar as luzes,
a noção do ser,
cair do traço.
Sentir o vácuo impalpável,
obscuro,
estranhamente enigmático,
tentar voltar.
Gritar na bifurcação
da existência
um gito inaudível,
sem som, sem êxito.
Depois o medo,
a incerteza,
a consolação.

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 1979. Inédito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário