terça-feira, 7 de dezembro de 2010

FOFO-MOCO.

Chegou meio de viés
como quem nada quisesse.
Chegou sem pedir licença
com sua alegria de criança,
seu mundo silencioso
e seus olhos azuis.
Chegou e foi ficando,
com suas pininanhas
e zincas-caseiras a tratar.
Belo e branco
como um dia de sol,
foi amado por todos.
De repente
e não mais que de repente,
partiu sem dizer nada.
Ferido de morte
- não sei como se feriu -
só sei que partiu
como quem nada devesse.
Rejeitou quem o amou
como se nunca
tivesse havido afinidades.
Partiu como chegou,
de repente!
Acredito que está morto,
para sempre ...

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado no início da madrugada de 18.07.1994. HOMENAGEM. Inédito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário