terça-feira, 14 de dezembro de 2010

A MATURIDADE.

Idéias radicais,
descompromissadas e rudes,
falta de sentimentos.

A boca seca,
a língua afiada.

Rejeição ao amor,
solidão, dias quentes.

Porque há força,
certeza da não salvação!

O tempo corre,
indolor.

A responsabilidade chega,
sobrepuja-se e aflige.

O certo e o errado se decantam
e não admira ao que observa ...
pois é natural,
simples processo.

O envelhecimento enfim,
contudo não se vai,
Tão pouco quer partir.

Partir prá que?

Vive-se pouco
e nada foi construído ...

Por RUI RICARDO RAMOS.

NOTA: Texto poetizado em 01.03.1994. Inédito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário